[RESENHA] NEUROMANCER (WILLIAM GIBSON)

sexta-feira, 13 de setembro de 2013


"O céu por cima do porto tinha a cor de uma TV que saiu do ar. 
— Não é que eu queira — Case ouviu enquanto abria caminho pela multidão que estava na porta do Chat. — Mas é como se o meu corpo tivesse criado, por si mesmo, esta enorme dependência da droga." 
                                                             Neuromancer - página 6, capítulo 1

Olá amigos do Loucamente Louca Mente!!!! Hoje iremos invadir grandes corporações, entrar no mercado ilegal e, principalmente, viajaremos na matrix! Não, não iremos falar da obra-prima dos irmãos Wachowski; na verdade hoje iremos resenhar o livro que serviu de inspiração para a sua criação e, por que não, para tudo o que viesse a utilizar a temática cyberpunk: Neuromancer, de William Gibson. 

Neuromancer foi publicado em 1o de julho de 1984 e é o primeiro livro do que é conhecido como a Trilogia do Sprawl (as outras duas são Count Zero e Mona Lisa Overdrive). Essa obra foi a primeira a ganhar o que chamam de a Tríplice Coroa do SciFi, que é composto pelo Nebula Award, Philip K. Dick Award e Hugo Award. Ainda, Neuromancer está entre os 100 melhores romances da história, ranking organizado pela revista Times. A obra rompeu as barreiras da literatura, dando origem a um jogo de computador e até mesmo uma opera. 

A cidade de Chiba e seu céu de "tv sem sintonia"

A história gira em torno de Case, um "cowboy" cibernético que trabalhava fazendo bicos para quem desejasse lhe contratar. Em um desses serviços, Case acabou se envolvendo em problemas com seus empregadores que, como punição, queimaram todos os chips implantados em seu corpo que lhe permitiam viajar pela matrix. Essa matrix é um pouco diferente da trilogia: enquanto no filme a matrix é onde os indivíduos que não estão verdadeiramente acordados "vivem", no livro ela é como a nossa internet: via decks, um indivíduo se conecta a matrix e a utiliza para diversas coisas, desde pesquisar receitas de bolo a invadir mega corporações. 

Após esse incidente, Case acaba se tornando um exilado da matrix, passando a ter de se virar offline para conseguir dinheiro para se manter. Até que ele é recrutado por Armitage, uma figura extremamente enigmática, e a sensualíssima Molly Millions e seus curiosíssimos óculos cirurgicamente implantados. Notamos ai mais uma fonte de inspiração aos irmãos Wachowski: Trinity (interpretada por Carrie A. Moss) possui muitas semelha com Molly, principalmente na evolução de seus sentimentos para com Neo (Molly se torna a pessoa mais importante para Case com o passar do tempo).

Trinity e sua avó, Molly

Na proposta feita por Armitage ao cowboy, Case teria restauradas as suas conexões com a matrix, desde que colaborasse em trabalhar com os secretos planos de seu contratante. E como garantia, Armitage implantou em Case tubos contendo a tal neurotoxina que outrora lhe privara do acesso ao cyber-espaço e, apenas com a colaboração do hacker essa toxina seria neutralizada. 

Com o passar das páginas, outros personagens são sendo apresentados, como o excêntrico Riviera e o curioso Finlandês, além de que nos é passado versões futuristas de grandes cidades reais como Istambul e Tóquio, e fictícia como Zion. Essa Zion do universo de Gibson é semelhante a do universo dos filmes; há uma cultura mais natural das coisas, embora ainda haja como se conectar à matrix de lá. 

Mas afinal, quem é Armitage? É atrás dessa resposta que Case chega a uma palavra que servira de chave para todas as respostas.... 

"Quero ver você fazer isso, Case!" - Neo

Na minha opinião...

Neuromancer é aquele livro que te faz passar uma hora lendo e você acha que só massaram poucos minutos. A dinâmica da narração de Gibson é impressionante: ele é duro, sem muito enfeite. Palavras de baixo calão são ditas em uma página e, linhas mais abaixo tiros são trocados. Você vira a página e está em uma outra cidade, se esgueirando em um beco escuro para, algumas linhas depois estar em um flat a organizar seus próximos passos. Enfim, se você gosta de SciFi, então com certeza você gostará de Neuromancer. 

Quanto a tradução, uma coisa interessante: lembro de ter comprado o livro em 2008, quando ele ganhou uma edição comemorativa de 25 anos. Lembro que um dos pontos baixos que eu tinha identificado era a tradução, tanto que eu cheguei a comentar isso nesse post. Porém, ao terminar de relê-lo, não tive a mesma impressão de outrora! (Se alguém teve a mesma sensação, por favor compartilhe sua experiência nos comentários!) O acabamento do livro é verdadeiramente muito bem feito (parabéns, Editora Aleph) assim como a sua tradução, feita por Fabio Fernandes. 



Então amigos, o que vocês acharam do livro? Chegaram a ler? Leram os outros dois (Count Zero e Mona Lisa Overdrive )? Deixe-nos suas impressões sobre o livro, sobre o post ou sobre o blog!!! E volte sempre!!!

3 comentários:

J.C Asphyxia disse...

Esse livro é foda demais! <3
Foi o que me iniciou no mundo Sci-Fi da literatura.

• Asphyxia •
universoasfixia.blogspot.com.br

juliano cesar de oliveira disse...

Oi adorei.. muito obrigado, me fez se interessar pelo livro....mas vc já leu o livro reverso escrito pelo autor Darlei... se trata de um livro arrebatador...ele coloca em cheque os maiores dogmas religiosos de todos os tempos.....e ainda inverte de forma brutal as teorias cientificas usando dilemas fantásticos; Além de revelar verdades sobre Jesus jamais mencionados na história.....acesse o link da livraria cultura e digite reverso...a capa do livro é linda ela traz o universo de fundo..abraços.
www.buqui.com.br/ebook/reverso-604408.html

Fabricio Machado disse...

Olá, obrigado pelos comentários! Continuem acompanhando o blog, se vocês gostam de Sci Fi aqui terá/tem muita! Grande abraço!

Fabricio "Louca Mente" Machado

 
Loucamente Louca Mente © 2014 | Designer - Thiago Fernandes - JF Desing