[QUEM CONTA UM PONTO...] A MÃO DO MACACO (W. W. Jacobs)

quarta-feira, 26 de fevereiro de 2014


W. W. Jacobs passou a maioria da vida escrevendo 
comédias. Mas seria com um conto de terror que
seu nome ficaria gravado na história 
para sempre...

Olá amigos!!! Hoje é terça -feira, dia de resenha de conto!!! E hoje eu trago um dos contos mais sinistros que já li até hoje: A Mão do Macaco, de W. W. Jacobs.

William Wymark Jacobs, ou melhor, W. W. Jacobs, foi um escritor inglês nascido na Londres de 1863, que se dedicou especialmente a contos e novelas humorísticas. Atualmente, porém, é muito mais lembrado por narrativas curtas, que já se tornaram clássicos da literatura do medo, como “The Interruption”, “The Toll House”, “The Brown Man’s Servant” e, sobretudo, “The Monkey´s Paw”, um dos contos mais famosos do gênero, tendo inclusive recebido inúmeras adaptações para o teatro, a TV e o cinema – a mais recente em 2003, pela Tribalfilm Entertainment, recebeu vários prêmios internacionais. Jacobs veio a falecer em 1943, em Londres e as razões de sua morte são desconhecidas.

Cuidado com o que você deseja...

Em A Mão do Macaco, Jacobs faz um joguete com os desejos humanos, geralmente escolhidos sem medição de consequências. Na historia, uma família recebe um misterioso amuleto - a pata de um macaco - que, supostamente, realizaria três desejos. Em uma determinada ocasião, a família se vê necessitada de dinheiro e resolve testar o tal amuleto, pedindo-lhe 200 libras. Sinistramente a pata se move como se compreendesse o pedido e, no dia seguinte, um oficial do exército vai até a casa deles levando-lhes a notícia da morte do filho deles que havia ido para a guerra. Em compensação, o exército lhes daria a quantia de... 200 libras. A família então cai em uma profunda depressão, até que a esposa decide pedir à pata do macaco que seu filho volte para casa. Novamente a mão se move, mas nada ocorre de imediato nem nos dias seguintes. 

Até que numa noite fria, um fino nevoeiro paira pelas redondezas. E, de dentro da casa, é possível escutar algo se arrastando do lado de fora, como se buscasse adentrar a residência. Assustados, o casal apenas ouve aqueles passos tropegos e arrastados indo em direção a sua porta e se dão conta de que este era seu filho falecido. Mas em que circunstâncias estaria o corpo desse garoto? E se ele tivesse se transformado em um monstro morto-vivo? Em meio à angústia de se deparar com o filho desfigurado e aos passos que cada vez mais se aproximavam da soleira da porta, o marido então decide, em um último momento antes da abertura da porta, pedir à pata para que aquilo sumir dali e ir para onde estava. A pata então, novamente se movimenta e se desintegra em seguida, levando embora consigo os sons que vinham do lado de fora. Ainda em meio ao pavor, o marido decide olhar o lado de fora da casa, para nada de anormal encontrar ali... 

E no final das contas, resta-nos apenas o frio e o silêncio...


Escrito em 1902, A Mão do Macaco é até hoje um dos contos mais assustadores até então escritos. É impossível não notar as influências de Edgar Allan Poe principalmente na poética empregada na escrita ou de H. P. Lovecraft no "pavor desconhecido" que permeia sua obra. 

E vocês, já conheciam esse conto? Tem algum conto para me indicar que se assemelhe (ou não) a esse? Deixe-nos um comentário!

Grande abraço e até a próxima!!! 

6 comentários:

Wendell Araujo disse...

Porra Fabricio! Bem na hora que estava lendo sua resenha, escuto uns barulhos aqui vindo da porta...

Corri pra ver se via a mão de alguém! rsrs

Quanto a uma dica de conto, li um livro ha vários anos, mas não me recordo o nome (acho que era "A casa assombrada" ou algo parecido). Sei que ele se passava aqui no brasil (obviamente o escritor deva ser daqui) e contava a historia de um grupo de amigos que iam passar as ferias no interior de São Paulo.

Tudo ia normal ate que alguns jovens começaram a ser perseguidos e depois desapareciam. O restante da trupe resolveu investigar e acharam um casarão abandonado.

Quando entraram, escutaram vozes de uma seita do qual se planejava, através de um ritual e sacrifício, trazer um deus da destruição (no livro era descrito apenas como uma sombra de um polvo).

Com direito a um final feliz, o livro é excelente! Lembro que na época havia lido ele umas 6 vezes.

Eu lia bastante livros de uma serie chamado "Caras" as quais tinham como alguns títulos "A Droga da Obediência", "A droga do Amor", "A Droga da Adolescência" e outras drogas. Talvez esse livro de terror que li seja da mesma serie "Caras" mas sinceramente não lembro.

Excelente resenha, como sempre!

Bjo

Wendell Araujo disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Loucamente Louca Mente disse...

Anotado meu chapa!!! Vou procurar, me interessou bastante \o/

Grande abraço!

Wendell Araujo disse...

O autor do livro A Droga da Obediência é o Pedro Bandeira!

Kel Costa disse...

Eu não gosto de contos e não costumo ler nenhum, a não ser quando é algo de parceria e tal. Mas confesso que fiquei super interessada nesse. Não conhecia, mas vc conseguiu me fazer sentir um pouco do "macabro" da história ;)
A gente tem que ter sempre mt cuidado com aquilo que deseja, né? rs

Vou procurar...

Bjs,
Kel
www.itcultura.com.br

Anônimo disse...

Só uma correção: não sei que edição você leu o conto, mas na versão original, o personagem Herbert White morre por conta de um acidente na fábrica onde trabalha.
No mais, boa resenha e boa lembrança de um clássico da literatura fantástica. Parabéns pelo blog.

Márcio

 
Loucamente Louca Mente © 2014 | Designer - Thiago Fernandes - JF Desing