[TRIBUTO] C. S. LEWIS, O VERDADEIRO REI DE NÁRNIA

terça-feira, 26 de novembro de 2013


C. S. Lewis ficou conhecido no Brasil após a tradução
de Crônicas de Nárnia para o idioma tupiniquim. Nesse
tributo, traremos um pouco mais desse que deixou seu
nome gravado como um dos maiores de seu gênero.

Olá amigos que acompanham o Loucamente Louca Mente!

Na última sexta-feira (22/11/2013) completou-se 50 anos da morte de um dos mais geniais escritores da literatura fantástica mundial. Clive Staples Lewis, mais conhecido como C.S. Lewis nasceu em 29 de novembro de 1898 em Belfast, na Irlanda, e ficou conhecido por seu trabalho sobre literatura medieval, palestras, e escritos cristãos. Mas foi pela serie de livros "As crônicas de Nárnia" que se tornou mundialmente conhecido. 

C.S Lewis entrou aos 18 anos no University College, em Oxford, porém seus estudos foram interrompidos pelo serviço militar na Primeira Guerra Mundial, e em 1918, retornou a Oxford. Durante a II Guerra Mundial, C.S. Lewis tinha suas palestras transmitidas pela rádio e por seus escritos, sendo chamado de "apóstolo dos céticos", especialmente nos Estados Unidos, suas palestras também eram transmitidas na rádio BBC, de Londres.

Sem falar que, nessa sexta-feira (29/11/2013) ele completaria 115 anos!

Lewis foi um dos idealizadores do “clube” The Inklings, um grupo de amigos vinculados à Universidade de Oxford que se reunia para discutir literatura, em especial mitologia, de 1930 a 1949. Dentre os membros mais ativos estavam J.R.R. Tolkien, Owen Barfield, Charles Williams, Christopher Tolkien (filho de Tolkien), Warren “Warnie” Lewis (irmão de Lewis), Roger Lancelyn Green, Adam Fox, Hugo Dyson, Robert Havard, J.A.W. Bennett, Lorde David Cecil e Nevill Coghill. Também frequentavam esporadicamente Percy Bates, Charles Leslie Wrenn, Colin Hardie, James Dundas-Grant, John Wain, R.B. McCallum, Gervase Mathew, C.E. Stevens e E. R. Eddison. Este grupo de escritores e poetas é considerado o mais influente do século XX. 

A amizade com os escritores cristãos, J. R. R. Tolkien, Dorothy Sayers e a sintonia com outros nomes cristãos da literatura como George MacDonald, T. S. Eliot e G. K. Chesterton favoreceu o seu retorno ao cristianismo. C. S. Lewis converteu-se ao teísmo em 1929 e posteriormente, em 1931, ao cristianismo. Uma discussão longa durante um final de noite com seus amigos mais próximos, Tolkien e Hugo Dyson, foi decisiva para essa conversão. O retorno ao anglicanismo foi motivado por uma conversa com seu irmão, o que decepcionou Tolkien, que esperava convertê-lo ao catolicismo. Não houve alguma atitude ou evento que oficializasse o seu retorno, nem tão pouco houve alguma postura dele próprio defendendo alguma “denominação” cristã. Ele, que então estava com 32 anos, passou simplesmente a frequentar a comunidade anglicana local e a se aprofundar nos estudos teológicos e bíblicos.

C.S. Lewis e seu grande amigo J.R.R.Tolkien

Na década de 50, C. S. Lewis casou-se com a escritora americana Helen Joy Davidman. O motivo seria para que ela pudesse viver legalmente na Inglaterra. Pouco tempo depois, Joy foi internada reclamando de dores nos quadris. Constatou-se que se tratava de um câncer ósseo terminal. A relação deles tomou novos rumos no período em que Lewis a acompanhou no hospital. O que era uma amizade se revelou outro tipo de amor e em março de 1957, quando ele tinha 60 anos, realizaram o casamento religioso no próprio quarto de internação. O câncer teve um período de recuo que propiciou ao casal viver em casa e inclusive fazer uma viagem pela Grécia e pelo Mar Egeu. Em 1960 houve uma recaída forte, que culminou no falecimento de Joy. O sofrimento causado pela perda de um amor tão recente redundou em um de seus últimos clássicos, Anatomia de uma Dor.

Ainda a década de 50 - mais precisamente entre 1949 e 1954 - , Lewis publicou a série de contos que seriam seus maiores sucessos. As Crônicas de Nárnia apresentam, geralmente, as aventuras de crianças que desempenham um papel central e descobrem o Reino de Nárnia, um lugar onde a magia é corriqueira, os animais falam, e ocorrem batalhas entre o bem e o mal. Em todos os livros (com exceção de "O Cavalo e seu Menino") os personagens principais são crianças de nosso mundo, que são magicamente transportadas para Nárnia a fim de serem ajudadas e instruídas pelo Grande Leão conhecido como Aslam (ou Aslan, dependendo da tradução). Essa série fora traduzida para 41 idiomas, e estima-se que já tenha vendido mais de 800 milhões de cópias por todo o mundo.

No Brasil, As Crônicas de Nárnia se tornou definitivamente conhecido pelo público em geral quando a Disney lançou, em 2005, a versão cinematográfica de "O Leão, a Feiticeira e o Guarda-roupa", tendo ele arrecadado mais de 700 milhões de dólares por todo o mundo. Além desse volume, foram adaptadas também "O Príncipe Caspian (2008)" e "O Peregrino da Alvorada (2010)". Ultimamente fora anunciado que o próximo filme baseado nas Crônicas de Nárnia será "A Cadeira de Prata", mas ainda sem datas para início de gravações ou lançamento. 

Criador e criatura, C.S. Lewis e o leão Aslam.

Após a morte de sua amada esposa, Lewis estava com 64 anos e começou a ter problemas de saúde. Em junho de 1961 foi diagnosticado com inflamação nos rins e as crises fizeram com que faltasse várias vezes às aulas que ministrava. Dois anos depois, Lewis foi internado e, no dia seguinte, 16 de julho de 1963, sofreu uma parada cardíaca e ficou em estado de coma durante 21 horas. Ao retornar para casa não estava mais em condições de dar continuidade às atividades como professor e se demitiu da posição de catedrático em Cambridge. Em novembro daquele ano foi diagnosticado em fase terminal de insuficiência renal. No dia 22, uma semana antes do seu aniversário de 65 anos, Lewis faleceu em seu quarto e foi enterrado no cemitério da Holy Trinity Church – a poucos metros de sua casa. 

A notícia de seu falecimento foi ofuscada na mídia pelas notícias do assassinato do presidente Kennedy e da morte de Aldous Huxley, autor do livro Admirável Mundo Novo, que aconteceram no mesmo dia.

E você, conhece algum outra obra de C.S. Lewis além das aqui citadas? Já leu "As Crônicas de Nárnia"? Deixe um comentário dando sua opinião sobre essa postagem ou sobre o blog em geral!

O Loucamente Louca Mente te saúda, grande C.S. Lewis!!! 

Abraço a todos e até a próxima!








2 comentários:

Kel Costa disse...

O post ficou ótimo. Apesar de todo mundo conhecê-lo pelo nome e por causa de Nárnia, poucos sabem realmente sobre a vida dele. Eu inclusive sou dessas. Ia morrer sem saber que ele foi amigo de Tolkien :o

Nunca li As Crônicas de Nárnia, mas quem sabe um dia né?

Bjs,
Kel
www.itcultura.com.br

mm amarelo disse...

Fabrício, parabéns pelo post! Já comecei a ler "As crônicas de Nárnia" várias vezes, mas a leitura não engrena. Eu sei da importância da obra e tudo, mas...enfim, minha ultima tentativa foi depois de ter lido aquele conto do Gaiman em que ele fala sobre a Susan e o que aconteceu depois...achei lindo, mas ainda assim a coisa não fluiu com o Lewis.
Enfim, obviamente que não vou desistir de Nárnia, um dia...
Abraços,

 
Loucamente Louca Mente © 2014 | Designer - Thiago Fernandes - JF Desing